Cristo nos chama!

Cristo nos chama!

"Andando à beira do mar da Galiléia, Jesus viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Eles estavam lançando redes ao mar, pois eram pescadores. E disse Jesus: "Sigam-me, e eu os farei pescadores de homens". No mesmo instante eles deixaram as suas redes e o seguiram.” (Mateus 4:18-20).

   O texto de nossa reflexão fala do chamado dos discípulos. Trata-se daquele momento em que o Senhor Jesus convoca seus mais íntimos colaboradores. Os homens que foram alistados por Jesus, tiveram suas vidas totalmente alteradas. Passaram a ser aqueles homens que viriam em nome de Jesus, cortar a história da humanidade em duas partes: AD e DC.

   Dito isto, gostaria de falar um pouco sobre o chamado de Cristo em nossas vidas. Visto que Jesus continua vivendo intensamente e convocando soberanamente outros discípulos, precisamos compreender um pouco mais esse tema. A primeira coisa que podemos aprender é que o chamado de Cristo acontece em dias ordinários. Ao contrário do que muitos pensam O Senhor, na maioria das vezes, convoca seus colaboradores em meio a sua rotina. No caso dos discípulos eles estavam trabalhando, fazendo aquilo que era diário.     

  Precisamos entender porque a igreja evangélica brasileira, em sua maioria, gosta de um cristianismo movido a adrenalina. Toda e qualquer experiência com Deus precisa ser marcada por descargas de enormes de emoções espirituais. Se não houver uma visão do terceiro céu, se não aparecer um anjo, se os braços não arrepiarem, se não se falar em línguas estranhas, se não houver um demoniozinho para expulsar, então não podemos esperar ter tido um encontro com o salvador.

   Que fique claro aqui que sou contra cristianismo sem sentimento; contra cristianismo que não se tem nas estranhas ou que não seja de alma, força e entendimento. Mas sou contra aquele cristianismo pautado por sentimento sem entendimento, sem discernimento, ocultista e perigosamente místico. Nem todos possuem emoções intensas, alguns de nós conseguimos amar de forma calma e serena e nem por isso deixamos de ser apaixonados por Jesus.

  Portanto, não pense que para ser comissionado por Jesus você terá que ficar esperando por aquela experiência que te deixará todo descabelado e caído neutralizado no chão. Em segundo lugar, veremos que o chamado de Cristo acontece com quem não se entrega ao ócio. Mateus nos diz que esses homens estavam trabalhando, que eram pescadores e que estavam ocupados com seus afazeres. Ninguém foi chamado enquanto dormia á tarde, para sermos discípulos do Senhor precisamos gostar de trabalhar.

   Quando Deus estava criando todas as coisas em Gênesis, lemos no capítulo 2:15 que Adão foi colocado no grande jardim, E ANTES DA QUEDA, para cultivá-lo. Deus deu ao homem a tarefa de cuidar do Édem. Logo, concluímos que o trabalho não foi criado para amaldiçoar, mas sim, e com toda certeza, para abençoar aos homens. Você tem prazer em trabalhar? Sabe de onde vem esse senso de dignidade e alegria que nascem de nosso trabalho? Esse bom sentir procede de Deus! Além disso, precisamos nos lembrar daquilo que disse o Salvador Jesus, que, aliás era carpinteiro: A seara é grande, mas poucos são os trabalhadores. Em outras palavras, Jesus nos chama para muito trabalho.

    Em terceiro lugar aprendemos que o chamado de Cristo acontece para enobrecer a nossa vida. Até esse dia os homens citados nesse texto eram anônimos para a história mundial. Após esse chamado por Jesus a relevância deles passa a ser universal e eterna. Suas palavras, seus atos e seus testemunhos ficaram e ainda ficarão registrados para sempre. Milhões e milhões de pessoas, por toda face da terra, têm sido alimentadas, orientadas, fortalecidas e salvas, em grande medida, por conta do chamado de Jesus na vida desses pescadores. Não ficou mais nobre Pedro após seguir ao chamado de Jesus? Não ficou mais nobre o pescador João, que ficou conhecido como aquele discípulo a quem Jesus amava?

   Pois bem, o mesmo acontece conosco quando Jesus nos retira de nossa vidinha sem intensidade e nos coloca em seu caminho estreito. A partir daí, nossas palavras e nosso silêncio passam a ter significados eternos. O que fazemos ou deixamos de fazer passa a ser extremamente importante para a humanidade. Querido, se você tem lido a Bíblia ou ouvido o sermões que lhes fazem ouvir a voz firme do Espírito Santo ou a sentir aquela forte impressão na alma, ou então, se a ideia de se entregar ainda mais ao serviço do Salvador não sai da sua cabeça, pare tudo o que está fazendo e siga por onde Ele for. Deixe Jesus fazer de você um ganhador de almas. Então, você verá do que se trata a vida.


Pr Fabrini Viguier