" Nem eu tão pouco te condeno..."

" Nem eu tão pouco te condeno..."

Declarou Jesus: "Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado".(João 8:11)


Quando analisamos o espírito de liderança de Jesus podemos ser tentados a dar mais ênfase à Sua iniciativa - seguindo sempre adiante - e à Sua visão "empreendedora", e nos esquecermos de Sua bondade e mansidão. Mas, este é um dos elementos importantes da liderança que Jesus exemplificou com muita beleza. Quando Jesus se confrontava com os que tramavam contra Ele, enfrentava - os com firmeza e não arredava o pé em Suas posições. Mas, quando estava diante do povo, daqueles que eram necessitados, sua bondade e mansidão preponderavam. No relato da mulher surpreendida em adultério é fácil darmos enfoque a resposta de Jesus aos líderes Judeus que lhe tinham preparado uma armadilha. Mas, geralmente, não prestamos atenção à Sua atitude em relação à mulher como aquela mulher deve ter se sentido acuada em meio a todos aqueles homens pressionando - a.

 

O medo, a dor e a culpa devem ter sido horríveis! No entanto, Jesus tratou - a como pessoa e não como objeto. Quando os líderes religiosos trouxeram a mulher demonstravam não ter por ela a consideração que se deve a um ser humano. Eles tinham um objetivo em mente: armar uma cilada para Jesus. Mas Jesus não só não caiu armadilha como ainda envergonhou. Contudo, o aspecto mais importante da história é a maneira como ela termina. Jesus não repreendeu a mulher com um sermão a respeito da sua imoralidade, como muitos de nós fazemos. Ele não tentou convencê-lo dos prejuízos que, com aquela atitude, ela havia causado a si mesma e a sua família. Não a recriminou. Em vez disso fez duas coisas: Primeiro, Ele a aceitou. 


Com isso Jesus mostrou que estava ciente do seu pecado sem contudo, tornar ainda mais pesado o seu fardo. Jesus falou com dureza aos que negavam seus pecados e procuravam esconder suas falhas. Mas aos que já se achavam sobrecarregados de sofrimento e abalados pelo sentimento das faltas cometidas, a estes Jesus encorajava. Jesus condenava o pecado, mas, com toda compaixão, levantava o pecador. Qual foi a segunda coisa que Jesus fez por aquela mulher? Ele a perdoou. Fez com que ela soubesse que havia sido perdoada, mas, preveniu - a para não voltar a cometer o mesmo erro. Ele não ficou respirando os seus pecados, não fez uma preleção sobre tentação, nem a confundiu com moralismos. Limitou se a dizer: "Não o faça outra vez. Isso era tudo que ela precisava ouvir e tudo que nós precisamos ouvir. Que nesta noite o Espírito todo bondoso de Deus esteja dizendo ao seu coração. "Perdoados estão os teus pecados, não deixe que qualquer tipo de acusação te impeça de prosseguir, mas vai, e não peques mais."


Viviany Viguier